top of page
  • Foto do escritorAuro Capital

Carta Junho 2023

Em junho, o Banco Central americano (Fed) deu uma pausa nos aumentos que vinha implementando na taxa de juros, porém sinalizou que deve voltar a subir em breve, dependendo dos dados da economia. Os EUA continuam surpreendendo os mercados com uma grande resiliência no crescimento e emprego. Isso deve levar as taxas de juros a ficarem mais altas por um tempo maior que o previsto, até que a inflação volte a se situar no patamar histórico de 2% ao ano. Alguns agentes econômicos reduziram a probabilidade de uma recessão no país, trazendo otimismo e valorização para a Bolsa americana, que subiu 6,5% no mês. Porém, deve-se ter atenção para os preços das ações, que estão em patamares bem acima de seus dados históricos, principalmente puxados pelas ações de tecnologia.


A China continuou a decepcionar seus indicadores econômicos com um crescimento menor que o esperado e dificuldades em seu mercado imobiliário, muito relevante para o PIB. Isso afetou empresas brasileiras exportadoras de commodities que tiveram menor valorização no mês.


O Brasil teve um mês muito bom, tanto na apreciação da Bolsa brasileira (+9,0%) como na redução das taxas de juros futuras, que valorizaram os títulos atrelados à inflação em 2,4% no mês. Os avanços no arcabouço fiscal, uma inflação controlada e a proximidade do corte da Selic (prevista para agosto) deram o tom desta melhora de expectativas. Contrapondo este cenário mais otimista temos: uma dívida pública alta, poucas iniciativas de controle de gastos governamentais e uma agenda legislativa muito dominada pelo Centrão.

Há uma boa oportunidade de investimento em ações brasileiras nesse momento, principalmente devido ao processo de redução de taxas de juros e o valor ainda baixo dos preços das empresas. O risco a este cenário mais otimista é uma possível piora do ambiente externo que pode afetar também a economia brasileira.


A Auro tem capturado os ganhos nas carteiras através das posições investidas em juros atrelados à inflação, a melhora dos fundos de crédito privado e o investimento em fundos multimercado. Do lado negativo, tivemos um evento de perda pontual em um fundo de direitos creditórios (crédito comercial para empresas de médio porte) que afetou as carteiras de alguns clientes no mês.

44 visualizações0 comentário

Posts recentes

bottom of page