top of page
  • Foto do escritorAuro Capital

Carta de Dezembro 2022

O ano de 2022 foi de queda substancial nos retornos dos investimentos nos países desenvolvidos, principalmente nos EUA. Em 2022, a bolsa americana caiu quase 20%, as ações de tecnologia caíram 33% e a renda fixa se desvalorizou próximo de 15%. Isso foi provocado principalmente por uma rápida subida dos juros, impactando os ativos que estavam com preços muito superiores as médias históricas.


Em dezembro houve a mesma tendência, com queda das Bolsas em geral e na renda fixa de países desenvolvidos. A China foi uma exceção, com forte aceleração de seus ativos, devido a abertura da economia pós-covid. Acredita-se que essa volta terá percalços, principalmente devido a uma população com menor cobertura vacinal e sistema hospitalar limitado. Melhoras na economia chinesa terão impacto positivo relevante na agenda de exportações dos países emergentes, incluindo o Brasil.


Aqui, o foco esteve nas medidas aprovadas de transição e a preocupação com a trajetória da dívida pública, apesar de um “pacote” com menor impacto do que era esperado em novembro. Outro ponto monitorado pelo mercado foi a divulgação das novas equipes de governo, alternando alguns bons nomes nas secretarias com ministros trazendo mensagens preocupantes. Entre elas, questionamentos sobre reformas já realizadas, tais como: previdência, trabalhista, saneamento, privatizações, etc. Lula agiu para conter estes anúncios e organizar o processo, mas ainda não há clareza nestes assuntos.


Recentemente, invasões em Brasília mantiveram um clima político preocupante. A divisão do país continua forte e deverá impactar em decisões nas diversas esferas do governo, inclusive na pauta econômica.


Para 2023 espera-se um ano de desaceleração global, principalmente nos países desenvolvidos, com leve recessão na Europa e crescimento próximo de zero nos EUA. O aumento de juros continuará nestes locais, porém em menor escala, visto que a inflação está em trajetória descendente nos últimos meses. A China deve crescer próximo de 5%, melhor que 2022, porém em um patamar inferior ao histórico.


No Brasil, o consenso é um crescimento menor que 1% em 2023, e uma taxa de juros alta por mais tempo, com a nossa projeção da Selic saindo de 13,75% atualmente para 12,5% no final do ano.

A estratégia da Auro é manter os investimentos majoritários em renda fixa neste ambiente de queda da inflação e incertezas econômicas e políticas. Também esperamos capturar melhoras pontuais do cenário local através da alocação em um grupo de fundos multimercados mais adequados ao momento do mercado.


55 visualizações0 comentário

Posts recentes

Comments


bottom of page